aprendendo

O Evangelho em Raabe

Eu sei que o título do texto parece ser um tanto controverso, já que, quando pensamos na palavra “evangelho”, pensamos nos 4 evangelhos da Bíblia que mostram o evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus. Entretanto, gostaria de lembrar que essa palavra significa boas-novas, portanto, o texto que estarei escrevendo aqui será uma análise de como as boas-novas do Senhor chegaram até a prostituta Raabe.
No capítulo 2 de Josué, vemos que Josué enviou dois homens para espiarem a terra de Jericó. Esses homens foram escondidas na casa de uma prostituta chamada Raabe. Essa mulher, mesmo sendo uma habitante de Jericó, recebeu aqueles que eram enviados de Deus para destruírem a cidade. Podemos então nos perguntar o porquê dela receber, e ainda por cima, esconder, esses homens em sua casa sendo que eles representavam a destruição do seu povo. A própria Raabe toma a frente nos versículos seguintes explicando o porquê: (…) Bem sei que o Senhor vos deu esta terra, e que o pavor que infundis caiu sobre nós, e que todos os moradores da terra estão desmaiados. Porque temos ouvido que o Senhor secou as águas do mar Vermelho diante de vós, quando saíeis do Egito; e também o que fizestes aos dois reis dos amorreus, Seom e Ogue, que estavam além do Jordão, os quais destruístes. Ouvindo isto, desmaiou-nos o coração, e em ninguém mais há ânimo algum, por causa da vossa presença; porque o Senhor, vosso Deus, é Deus em cima nos céus e embaixo na terra (Js 2:9-11).
Quando lemos as coisas na Bíblia muito rapidamente, acabamos perdendo detalhes importantes dos acontecimentos. Primeiramente, devemos nos lembrar de que a abertura do mar Vermelho ocorreu no mínimo 40 anos antes da chegada dos espias em Jericó. A destruição de Ogue e Seom, mesmo sendo algo difícil de determinar, havia acontecido já há alguns anos. Devemos também nos atentar que, como Raabe era uma prostituta, sabemos que ela não permaneceria no ofício por um longo tempo porque acabaria desagradando aos homens. Segundo a tradição judaica, Raabe tinha 50 anos quando os espias chegaram à terra de Jericó. Mas por que é interessante meditar nesses aspectos? Ora, porque vemos que, mesmo que distante geograficamente e mesmo que muito distante no tempo, as obras que Deus realizara nos israelitas e por meio deles chegou até Jericó. O evangelho havia chegado a Jericó, mesmo que nenhum daqueles sinais tivesse sido operado no meio daqueles moradores.
Como já vimos que o evangelho havia chegado a Jericó, devemos também ver a reação que esse evangelho provocou no povo. Vemos Raabe falar que o coração do povo se derretera e que por isso a cidade estava sob vigilância total. Podemos ver então, que, ainda que aqueles homens tivessem ouvido o que o Senhor havia feito, não houve neles o desejo de se entregarem a Deus, o que foi exatamente o contrário do que aconteceu com a Raabe. Tanto Raabe quanto o povo receberam o mesmo evangelho: eles ouviram falar dos mesmo sinais, ouviram falar do mesmo Deus e sabiam quem era o povo de Deus, mas as palavras não foram recebidas da mesma forma. O que aconteceu com Raabe é que ela recebeu aquelas notícias com fé e confessou que cria no Senhor, enquanto que com o povo de Jericó, aconteceu algo semelhante ao que ocorrera com os israelitas que foram condenados no deserto: Temamos, portanto, que, sendo-nos deixada a promessa de entrar no descanso de Deus, suceda parecer que algum de vós tenha falhado.

Porque também a nós foram anunciadas as boas-novas, como se deu com eles; mas a palavra que ouviram não lhes aproveitou, visto não ter sido acompanhada pela fé naqueles que a ouviram (Hb 4.1-2).
Agora devemos entender o que a fé implicava para Raabe:
1) Ela reconheceu que a palavra passada (sinais no Egito e no deserto) e a palavra futura (destruição de Jericó) eram ambas da parte do Senhor;
2) Ela trabalhou para que a vontade do Senhor fosse feita;
3) Ela confessou publicamente que cria e o porquê de sua fé
4) Ela estava disposta a abandonar seu povo e sua nacionalidade para se submeter ao povo do Senhor e obter uma nacionalidade superior;
5) O amor de Raabe por Deus era maior do que seu amor pelo seu povo

Agora vejamos as consequências da fé de Raabe:
1) Ela se tornou uma bênção para sua família e Deus a preservou
2) Ela se tornou parte da ascendência do Messias (Raabe se casou com Salmon, que era de Judá)

Diante da fé de Raabe, os dois espias a prometem que sua família será preservada contanto que ela atasse um fio de cor escarlate em sua janela (Js 2.17-20). Aquele seria o símbolo de que sua casa não seria visitada pela destruição enviada pelo Senhor. Agora eu quero que você pare e reflita um pouco: onde mais vemos essa situação em que algo vermelho foi tido como sinal para que não houvesse a destruição daqueles que criam no Senhor? Exatamente! No Egito, mais precisamente, quando houve a morte dos primogênitos (Êx 12. 29-30)! O que estava acontecendo em Jericó era uma imagem do que acontecera no Egito: enquanto Deus enviava seu anjo para destruir os primogênitos, trazendo morte e desespero, dentro da casa dos israelitas havia alegria e paz, pois o anjo não trouxe destruição para aqueles que tinham o sangue do cordeiro nos umbrais de suas portas. O mesmo estava acontecendo com Raabe: Deus estava mandando seus agentes para destruir aquela cidade, mas enquanto havia morte e desespero tanto fora quanto na casa dos incrédulos, na casa de Raabe havia salvação (Js 6.21).
Destruições como essas não são incomuns nas Escrituras. Temos a destruição de Sodoma e Gomorra, da qual Ló e sua família foram livradas. Temos o dilúvio, onde Noé e sua família foram livrados. Temos a destruição da cidade em Ezequiel, onde aqueles que se entristeciam com a corrupção da cidade foram livrados. Todos esses acontecimentos devem nos fazer lembrar da destruição final, onde o mundo será destruído, enquanto aqueles que pertencem ao Senhor serão preservados e estarão para sempre com Ele. No fim dos tempos, haverá morte e choro para aqueles que, mesmo ouvindo o evangelho, seja pela pregação, por seus efeitos ou por milagres, não creram; enquanto para nós haverá alegria e paz eternamente.
Tenhamos Raabe como um exemplo de fé para nós, pois enquanto todo o povo de Jericó acreditava que tinha sido o Senhor quem houvera feito todos aqueles sinais, eles não tinham fé, porque a fé no Senhor deve trazer uma mudança drástica na vida daquele que confessa nEle crê.
A história de Raabe continua se repetindo até hoje. Enquanto para alguns a mensagem do evangelho soará como uma trombeta anunciando a destruição e trazendo o desespero, para outros, por meio da graça e da fé, ela soará como palavras de salvação e esperança, como um convite a uma nova vida, em um novo povo, aguardando a volta de nosso Senhor. “Porque nós somos para com Deus o bom perfume de Cristo, tanto nos que são salvos como nos que se perdem. Para com estes, cheiro de morte para morte; para com aqueles, aroma de vida para vida. Quem, porém, é suficiente para estas coisas?” (2Co 2.15-16).

até o proximo post…

Texto por: Bruno Mota Soares

Um comentário em “O Evangelho em Raabe”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s